Publicado em 30-05-2014 às 23:29 | por Bruna Rasmussen

Lançar 1,5 milhão de balões ao céu pode ser uma péssima ideia

Não basta lançar 1,5 milhão de balões ao céu. Tem que causar contratempo no trânsito, fechar aeroporto, dificultar buscas por desaparecidos e até machucar cavalos.

Em 1986, a United Way tentou quebrar o recorde de lançamento de balões ao ar, liberando cerca de 1,5 milhão de bexigas em Cleveland, Ohio. Foram dezenas de voluntários trabalhando por horas a fio, enchendo os balões e armazenando-os em uma rede gigante, também com o propósito de arrecadar dinheiro para caridade. Depois de tudo terminado, os balões foram liberados ao céu, criando um belo espetáculo. Porém, nem tudo saiu como esperado.

slide_346753_3657854_free

Uma tempestade se formou na região dos Grandes Lagos naquele dia, fazendo com que os balões voltassem à cidade de onde foram lançados. O céu ficou tomado por uma nuvem impenetrável de balões, que aos poucos desciam para a cidade.

slide_346753_3657853_free

No trânsito, diversos acidentes aconteceram enquanto motoristas tentavam desviar das bexigas que desciam em câmera lenta. O Aeroporto de Cleveland Burke Lakefront teve que fechar por meia hora.

 slide_346753_3657857_free

E isso não é tudo. O resgate de dois pescadores dados como desaparecidos foi prejudicado por causa da quantidade de bexigas no céu, que impossibilitou o helicóptero de resgate de chegar ao local onde eles estavam. Na água, os balões confundiam a guarda costeira a identificar as possíveis vitimas. Os dois pescadores foram encontrados afogados dois dias depois. A família processou os organizadores pedindo uma indenização de US$ 3,2 milhões (R$ 7,18 milhões).

balloons-09

Como se não bastasse, os balões chegaram ao Condado de Medina, criando pânico entre cavalos árabes que se machucaram seriamente. Isso rendeu um processo de US$ 100 (R$ 224,5 mil). Para um evento que tentou arrecadar fundos para caridade, até que a festa saiu bastante cara.

 

De qualquer forma, a animação das crianças parecia bem alta, como é possível conferir no vídeo da reportagem acima.

Fonte: The Huffington Post



Tags: , , , , ,






De volta ao topo ↑