Publicado em 29-10-2012 às 22:53 | por Bruna Rasmussen

Bomba de ar comprimido no ânus deixa garoto chinês à beira da morte

Brincadeira de mau gosto destruiu os órgãos internos do menino, que luta para sobreviver.

Du Chuanwang

Fonte: Reprodução/Caters

Sabe a famosa brincadeira que dá errado? Dois colegas de trabalho de Du Chuanwang, de 13 anos, resolveram pregar uma peça no garoto, colocando uma bomba de ar comprimido em seu ânus. O que era para ser divertido, acabou em tragédia.

A bomba, pertencente à oficina mecânica onde os rapazes trabalhavam, na província de Shandong, na China, inflou a barriga de Chuanwang, que precisou ser aberta para que o ar conseguisse sair. O garoto passou oito dias em coma devido à agressão e está em estado gravíssimo, com falência múltipla de órgãos e infecção generalizada. O tratamento está sendo realizado em um hospital de Beijing.

“Nós só podemos oferecer o mínimo necessário para ajudá-lo agora, já que sua condição é complicada e os médicos não decidiram um plano de tratamento ainda”, afirmou o porta-voz do hospital à rede norte-americana CNN.

Os dois agressores, de 20 e 27 anos, foram detidos e estão em prisão preventiva até que o caso seja devidamente julgado pelas autoridades chinesas. Chuanwang começou a trabalhar na oficina depois que sua mãe faleceu, há 6 anos. O avô, que conhecia o dono, enviou o garoto para que ajudasse nas tarefas em troca de roupa e abrigo.

Du Chuanwang foi atacado com uma bomba de ar comprimido

Fonte: Reprodução/Caters

“Nós o mandamos para a oficina porque a nossa família é conhecida do dono. Desde que sua mãe faleceu, seu pai esperava que o dono da oficina pudesse cuidar dele. Nós temos o dono como o guardião do menino”, disse o avô.

O tratamento no hospital em Shandong foi pago, em boa parte, pelo dono da oficina. No entanto, para bancar o tratamento em Beijing, uma associação de caridade chamada Angel Mom afirma já ter recebido cerca de 400 mil yuans (aproximadamente R$ 127 mil) em doações para ajudar Chuwanwang.

  • Fontes:


Tags: , , ,






De volta ao topo ↑